Esportes

Oportunidade, polivalência e sonho antigo: por que o Inter buscou Bruno Silva

Técnico do volante em 2017, Jair Ventura elogia competitividade e espírito coletivo de Bruno Silva

13/08/2019 por Por Tomás Hammes — Porto Alegre

Ainda restam detalhes finais para um anúncio oficial iminente, mas a contratação de Bruno Silva pelo Inter une o útil ao agradável para ampliar as opções de Odair Hellmann na reta final de 2019. Com três competições em disputa, o volante desembarca em Porto Alegre com as credenciais de quem tem a mesma facilidade para defender e atacar e ainda pode desempenhar funções pelos dois lados do campo.

Após rescindir com o Fluminense, o jogador de 33 anos acertou os termos de contrato com o Inter, a depender dos exames médicos e assinatura do novo vínculo. Bruno Silva assinará com o Colorado até o final do ano. Há opção de renovação por mais uma temporada.

Por que o Inter buscou Bruno Silva?
O Inter agiu para acertar a contratação do atleta com uma série de fatores em vista. O momento decisivo e o calendário cheio de compromissos por três competições em disputa foram o ponto de partida.

Com a janela de transferências internacionais já fechada, o clube restringiu a busca por nomes no mercado nacional que pudessem chegar sem custos e para atuar em ao menos duas opções. A oportunidade de negócio o levou a Bruno Silva.

O volante pode ser inscrito já para o duelo das quartas de final da Libertadores, contra o Flamengo, e também no Brasileirão – atuou em apenas quatro partidas pelo Fluminense. A restrição fica por conta da Copa do Brasil.

Bruno chegará como um antídoto para atenuar os problemas na posição, uma sina desde o início do ano, quando Matheus Galdezani rompeu os ligamentos do joelho direito. Mais recentemente, o Inter viu Rodrigo Dourado (dores no joelho esquerdo), Rodrigo Lindoso (entorse no tornozelo esquerdo) e Edenílson (lesão muscular) virarem preocupação por questões médicas.

As credenciais de Bruno Silva
No Beira-Rio, Bruno Silva tentará repetir o futebol de dois anos atrás. À época no Botafogo, ele virou um dos expoentes do time que alcançou as quartas de final da Libertadores sob o comando de Jair Ventura.

Peça-chave, o volante se desdobrava para fazer mais do que as funções costumeiras de marcação e se somar aos homens de ataque como opção no setor ofensivo. Algo ao estilo do que faz Edenilson, embora o novo reforço colorado ainda jogue pelos dois lados de campo.

Sua força na bola aérea ofensiva e defensiva também rende elogios de seu ex-técnico, Jair Ventura. No Inter, o volante reencontrará Rodrigo Lindoso, seu companheiro dos tempos de Botafogo. Emerson Santos e Neilton também foram seus colegas no Nilton Santos.

"É uma boa contratação. O Bruno é extramente competitivo, um bolante moderno com muita força, boa técnica e poder de finalização. É jogador tática, que cumprirá a função que o técnico pedir" (Jair Ventura"

- O Bruno faz aquele box to box (área a área) muito bem, infiltra na área, tem a bola parada ofensiva e defensiva muito boa. Faz muito gol de cabeça e sempre pisa na área. Joga para o time e ajudará bastante. Dificilmente se lesiona. Pode fazer tanto a função do Edenilson quanto do Patrick. Se jogar ao lado do Lindoso, tem a questão do entrosamento, o que pode facilitar. Que possa ser muito feliz no Inter – diz Ventura ao GloboEsporte.com.

Sonho antigo

A temporada pelo Botafogo foi o que despertou pela primeira vez o interesse do Inter, ainda ao final de 2017. O clube fez uma investida pelo jogador, que preferiu acertar o Cruzeiro. Bruno Silva fechou aquela temporada com 60 jogos, nove gols e oito assistências. De quebra, foi eleito para a seleção do Brasileirão.

Desde então, o nome sempre voltou à pauta da diretoria colorada, mas sem grandes avanços até o atual. O interesse antigo do clube e a oportunidade de disputar a Libertadores animam o volante para a mudança de ares rumo a Porto Alegre.

Bruno Silva será o nono reforço do Inter para 2019. Antes dele, o clube já tinha anunciado as contratações de Bruno, Natanael, Rodrigo Lindoso, Matheus Galdezani, Guilherme Parede, Neilton, Rafael Sobis e Santiago Tréllez.

Cigano da bola, o volante parte para seu o 14º clube da carreira. Antes defendeu Villa Nova-MG, Ipatinga, Uberaba, Social-MG, Valeriodoce, Avaí, Bahia, Ponte Preta, Athletico, Chapecoense, Botafogo, Cruzeiro e Fluminense.


Fonte: https://globoesporte.globo.com

Tags: oportunidade - polivalência e sonho antigo: por que o inter buscou bruno silva